2º Domingo do Tempo Comum (Ano B)
Padre Marcos Albuquerque Gomes
Paróquia Santa Cruz – Bairro Vera Cruz (Belo Horizonte – MG)

Joao1_35a42.jpg

Queridos irmãos e irmãs,

Estamos começando a primeira etapa do Tempo Comum, que vai até a quarta-feira de cinzas. Neste tempo, a cor litúrgica é verde. Meditamos os ensinamentos e os milagres de Jesus. Somos convidados a ser discípulos e seguidores dele.

Neste domingo, João Batista nos apresenta Jesus, o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. “João estava com dois de seus discípulos e, vendo Jesus passar, disse: ‘Eis o cordeiro de Deus’. Ouvindo estas palavras, os dois discípulos seguiram Jesus. Voltando-se para eles e vendo que o estavam seguindo, Jesus perguntou: ‘O que estais procurando’? Eles disseram: ‘Mestre, onde moras?’ Jesus respondeu: ‘Vinde ver’. Foram, pois, ver onde ele morava e, nesse dia, permaneceram com ele. Era por volta das quatro da tarde” (João 1,36-40).

A primeira pergunta que poderíamos nos fazer é: Por que os dois discípulos foram atrás de Jesus? O que eles procuravam? A segunda pergunta é: Por que eles permaneceram com ele? Percebemos aqui que algo mexeu com os dois discípulos. Talvez curiosidade; talvez uma busca interior de um sentido para a vida. O fato é que eles o seguiram. O texto fala até a hora em que eles encontraram Jesus. “Era por volta das quatro da tarde”. Depois o texto diz que “foram, pois, ver onde ele morava e, nesse dia, permaneceram com ele”. O texto não fala se eles permaneceram uma noite, uma semana ou vários meses. Não importa. O importante foi que este encontro mudou a vida deles. Mudou tanto, que eles sentiram a necessidade de contar a alguém. “André, irmão de Simão Pedro, era um dos dois que ouviram as palavras de João e seguiram Jesus. Ele foi encontrar primeiro seu irmão Simão e lhe disse: ‘Encontramos o Messias’. Então André conduziu Simão a Jesus”.

 

Quem encontra Jesus se torna discípulo dele. Se sente impelido a falar dele para outras pessoas. Quer testemunhar esta alegria. Não foi à toa que a Igreja nos propôs este texto para meditarmos no começo do Tempo Comum. O Tempo Comum nos convida a fazer um encontro com Jesus. Um encontro que muda a nossa vida. Este encontro é feito cada vez que meditamos a Palavra de Deus e renovado em cada celebração eucarística que participamos.

Os bispos da América Latina reunidos em Aparecida no ano de 2007 disseram: “Conhecer a Jesus é o melhor presente que qualquer pessoa pode receber; tê-lo encontrado foi o melhor que ocorreu em nossas vidas, e fazê-lo conhecido com nossa palavra e obras é nossa alegria” (DAp, 29).

O Papa Bento XVI, na sua encíclica “Deus é amor”, diz uma coisa muito importante: “No início do ser cristão, não há uma decisão ética ou uma grande idéia, mas o encontro com um acontecimento, com uma Pessoa que dá à vida um novo horizonte e, dessa forma, o rumo decisivo” (Deus Caritas est, 1).

O Papa Francisco, na sua Exortação Apostólica “Evangelium Gaudium” nos faz um convite: “Convido todo cristão, em qualquer lugar e situação que se encontre, a renovar hoje mesmo o seu encontro pessoal com Jesus Cristo ou, pelo menos, a tomar a decisão de se deixar encontrar por ele, de procurá-lo dia a dia sem cessar. Não há motivo para alguém poder pensar que este convite não lhe diz respeito, já que ‘da alegria trazida pelo Senhor ninguém é excluído’” (Evangelii Gaudium, 3).

Os grandes santos fizeram este encontro e tiveram suas vidas transformadas. O Papa Francisco, na sua encíclica Fratelli Tutti, cita o Beato Charles de Foucauld. Charles de Foucauld foi um oficial francês e geógrafo que viveu na França no final do século XIX. Depois de viver uma vida fútil, gastando sua herança com jogo e bebida, fez um encontro pessoal com Jesus que mudou sua vida. Após uma caminhada de aprofundamento espiritual, se sentiu chamado a viver a vida escondida de Jesus de Nazaré. Foi então viver no deserto da Argélia junto com as tribos nômades tuaregues. Queria ser irmão de todos. Era o único cristão entre estes povos árabes. Morreu assassinado por um nômade do deserto. Ficou conhecido como o irmão universal.

Peçamos ao Senhor a graça de renovar o nosso encontro pessoal com Ele, o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. Que possamos experimentar esta alegria que vem da amizade com Jesus e que dá um novo sentido para nossa vida.

Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo!

Cantemos esta música do Padre Zezinho:
Te amarei Senhor

1. Me chamaste para caminhar a vida contigo / Decidi para sempre seguir-te não voltar atrás. / Me puseste uma brasa no peito e uma flecha na alma / É difícil agora viver sem lembrar-me de ti.

Te amarei, Senhor, te amarei, Senhor / Eu só encontro a paz e a alegria bem perto de ti (Bis)

2. Eu pensei muitas vezes calar e não dar nem resposta / Eu pensei na fuga esconder-me, ir longe de ti. / Mas tua força venceu e ao final eu fiquei seduzido. / É difícil agora viver sem lembrar-me de ti.

3. Ó Jesus não me deixes jamais caminhar solitário / Pois conheces a minha fraqueza e o meu coração / Vem ensina-me a viver a vida na tua presença. / No amor dos irmãos, na alegria, na paz, na união

 


Ps. Não se esqueça do seu momento de intimidade diário com Jesus (15 minutos pelo menos). Faça também seu diário espiritual. Vai ajudar muito sua oração pessoal. Deus te abençoe.